top of page
  • Foto do escritorRedação

A greve dos professores eunapolitanos coroa a intolerância e mostra o descaso com as crianças


A longa greve dos profissionais de educação em Eunápolis, deflagrada pela APLB local, desde março deste ano, circula um período negro na história da educação na cidade, em que, o alunado é a vítima capital, dada as circunstâncias dos fatos.


Se por um lado a classe reclama do reajuste federal, da ordem de 33,24%, por outro o município de Eunápolis tem uma das maiores remunerações da Bahia para os profissionais de educação, com piso para nível 2, em R$ 4.201,00 (Quatro Mil Duzentos e Um Reais), em que pese, os recebimentos dos educadores sempre estarem acima de 5 Mil Rais, chegando em certos casos a mais de 10 Mil Reais, e em outros a depender do período a somas superiores a 15 Mil Reais.


Longe da pauta financeira, principal objeto motivador da greve, o alunado eunapolitano já penalizado por dois anos de pandemia (2020-2021), somam ao prejuízo, um imbróglio que não parece ter fim, com comprometimento devastador na vida de milhares de crianças em fase de formação.


Longe da razoabilidade, em que, as discussões deveriam, em tese, serem negociadas fora das salas de aula, o que se viu foi a total ausência de bom senso, arrastando para a demanda da classe todo o alunado; em que pese o preço da tal greve, em que, ficou sacrificado o futuro de meninos e meninas inocentes, numa pauta que não os pertence, afinal a estes assiste o DIREITO a uma educação de qualidade e continuada.


Vale lembrar, que 50% das aulas estão sendo aplicadas, por consequência de ação judicial.



Comments


NOS ACOMPANHE E NOS SIGA NAS REDES SOCIAIS

  • Instagram
  • Facebook
  • X
  • TikTok
  • Youtube
  • Soundcloud
  • Whatsapp
  • Telegram

Role para baixo e veja mais notícias

Todos os temas tratados neste veículo de comunicação, mesmo conteúdos que expressam opinião, são obedientes ao critério jornalístico relacionado a fatos e acontecimentos, dentro do direito à liberdade de expressão, assegurado na Constituição Federal do Brasil, sem qualquer intenção ou motivação pessoal de agredir pessoa alguma, tão somente expressar de forma legítima o DIREITO de opinar sobre fatos verídicos e acontecimentos reais, no amplo exercício de um jornalismo livre e plural.

 

Antonio Marcos Nunes dos Santos

Jornalista - Registro 0006829/BA  

00_edited.jpg
728x180-min.gif
PC CA.png
bottom of page