BANNER-INTERNET-728-x-90.gif
Leia Também
  • Antonio Marcos Nunes

A Operação Faroeste e a enlameada justiça baiana no banco dos réus


Entre os denunciados pelo Ministério Público Federal por crimes apurados pela Operação Faroeste, o desembargador José Olegário Monção Caldas teria sido beneficiário de propinas com origem no “quase cônsul” Adailton Maturino por meio da aquisição, em dinheiro vivo, de um carro Toyota Hilux 2015/2016. As informações constam na denúncia assinada pela procuradora Lindôra Maria Araújo e detalha o passo a passo para a obtenção da vantagem ilícita.

De acordo com o MPF, Olegário proferiu uma decisão favorável ao grupo liderado por Maturino no dia 29 de janeiro de 2016 e que teria sido paga seis meses depois com a aquisição do veículo. O carro consta na declaração de Imposto de Renda do desembargador do ano-base 2016, porém sem a discriminação da origem dos recursos. O valor do veículo, de R$ 139 mil, é similar a saques realizados por Maturino nos dias 3, 27 e 28 de junho daquele mesmo ano.

Segundo a concessionária, o montante foi pago por meio de um depósito bancário identificado em nome de Olegário, trazendo, inclusive, um erro de grafia no sobrenome do magistrado, que consta como “Monsão” ao invés de “Monção”. “Nota-se, portanto, que a vantagem indevida recebida por José Olegário, oriunda de Adailton Maturino, originou-se não só do pagamento de empréstimo, como também com dinheiro em espécie para compra de veículo automotor”, explica Lindôra.

O desembargador é citado ainda por ter “luxos” mantidos pelo casal Adailton e Geciane Maturino, apesar de negar “qualquer tipo de relação de amizade”. “As fotos de José Olegário passeando de helicóptero com Adailton Maturino, áudios para tratar de questões de fazenda e documentos de viagem apresentados são exemplos de parte das possíveis vantagens indevidas recebidas pelo desembargador, no período sindicado, para, junto a Maria do Socorro, defender os interesses daquele”, detalha o MPF.

Olegário e sua esposa, Wanja Costa, também teriam tido passagens aéreas, no valor de R$ 8.054,04, quitadas por Maturino, conforme troca de mensagens entre os acusados.


Por - BN

Título - CDN24horas