top of page

NOS ACOMPANHE E NOS SIGA NAS REDES SOCIAIS

  • Instagram
  • Facebook
  • X
  • TikTok
  • Youtube
  • Soundcloud
  • Whatsapp
  • Telegram
  • Foto do escritorRedação

Acredite - Câmara pode ficar com apenas 1 vereador após cassações

Ação do PT pode deixar cidade baiana com apenas 1 vereador

O Partido dos Trabalhadores (PT) entrou com um processo contra oito dos nove vereadores, incluindo o presidente da Câmara Municipal de Angical, oeste da Bahia. O partido questiona as fraudes contra as candidaturas femininas.


 

Os vereadores processados são: Júnior de Dinó, que é o atual presidente da Casa, Gilmazao e Natalino, todos do PP. Carlão, Mara e Noelzão, do MDB, e ainda os vereadores Itamar e Claudinha, do Avante. O julgamento do parecer da Procuradoria Federal, sobre o caso, vai ser realizado nesta quarta-feira, 26, em Salvador.

Neste caso, quem defende o autor do processo, o Partido dos Trabalhadores, é o advogado especialista em Direito Eleitoral, Adhemir Ismerin.


"Toda vez que um parlamentar é cassado e o questionamento é cota de gênero, são anulados os votos do partido que lançou as candidaturas e é feito um novo cálculo. Após isso a Justiça recalcula o quociente para saber quem são os novos eleitos", afirmou Ismerin.


De acordo com a Lei das Eleições (Lei nº 9.504/1997), cada partido deve preencher um percentual mínimo de 30% de candidaturas femininas entre os candidatos em eleições proporcionais. O objetivo da lei é assegurar a participação mais igualitária entre homens e mulheres que concorram a cargos eletivos do poder legislativo.


A reportagem tentou falar com o presidente da Câmara de Angical, porém não obteve retorno.

Comments


Role para baixo e veja mais notícias

Todos os temas tratados neste veículo de comunicação, mesmo conteúdos que expressam opinião, são obedientes ao critério jornalístico relacionado a fatos e acontecimentos, dentro do direito à liberdade de expressão, assegurado na Constituição Federal do Brasil, sem qualquer intenção ou motivação pessoal de agredir pessoa alguma, tão somente expressar de forma legítima o DIREITO de opinar sobre fatos verídicos e acontecimentos reais, no amplo exercício de um jornalismo livre e plural.

 

Antonio Marcos Nunes dos Santos

Jornalista - Registro 0006829/BA  

00_edited.jpg
PC CA.png
bottom of page