top of page
CDN 24H 300X250.png
  • Foto do escritorRedação

Adolescente cigana pode ter sido morta por vingança familiar

Em reportagem para emissora de TV, pai suspeita que crime foi por vingança

A morte da jovem cigana Hyara Flor dos Santos Alves, de 14 anos, na cidade de Guaratinga, no sul da Bahia, atingida por um disparo de arma de fogo na região do queixo, ainda está longe de ser desvendada. O principal suspeito da morte, segundo a família, é o marido da adolescente, também de 14 anos, que está foragido juntamente com o seu pai.


O pai de Hyara, Hiago Alves da Silva, falou sobre o assunto em entrevista à TV Bahia e clamou por justiça. Ele ressaltou que foi enganado pela família do marido de sua filha e que ela foi morta por uma suposta traição que, nas palavras dele, não existiu. “Quero pedir justiça. Eu entreguei a minha filha para eles de mão beijada e fui enganado o tempo todo. Disseram que meu irmão tinha um caso com a mulher da família do marido dela, mas isso nunca existiu. Ela morreu por uma coisa que não existiu”, desabafou.

A Justiça autorizou que celulares de pessoas envolvidas fossem grampeados a fim de auxiliar nas investigações do crime e o policiamento na região foi reforçado. Os familiares dos envolvidos foram ouvidos pela delegacia de Eunápolis, cidade localizada no sul da Bahia. As polícias de Minas Gerais e da Bahia estão trabalhando para elucidar o crime.


O caso teve repercussão nacional e a escritora Glória Perez fez duas publicações no Instagram para seus mais de 1 milhão de seguidores.

  • Instagram
  • Facebook
  • YouTube

Nos siga nas redes sociais.
Curta, comente e compartilhe!

Role para baixo e veja abaixo mais notícias

Todos os temas tratados neste veículo de comunicação, mesmo conteúdos que expressam opinião, são obedientes ao critério jornalístico relacionado a fatos e acontecimentos, dentro do direito à liberdade de expressão, assegurado na Constituição Federal do Brasil, sem qualquer intenção ou motivação pessoal de agredir pessoa alguma, tão somente expressar de forma legítima o DIREITO de opinar sobre fatos verídicos e acontecimentos reais, no amplo exercício de um jornalismo livre e plural.

 

Antonio Marcos Nunes dos Santos

Jornalista - Registro 0006829/BA  

00.JPG
728x90-min.gif
Veja Também
PC CA.png
bottom of page