BANNER-INTERNET-728-x-90.gif
Leia Também
  • Antonio Marcos Nunes

As lições de vida da filha do feirante e da costureira que se tornou prefeita

"Ela nunca negou suas origens, antes se orgulha de ser gente como a gente..."

Cordélia Torres (DEM), é a prefeita de um dos municípios mais importantes do Estado da Bahia; a gestora que tem formação em Administração de Empresas e Bacharel em Direito, traz na sua essência a formação de caráter e conduta herdados das colunas de sua vida, seus pais. Filha de um dos pioneiros de Eunápolis, o senhor José Lima Almeida (in memoriam), que chegou a esta terra pelos idos anos de 1959, e de dona Giselia Torres de Almeida, a esposa e mãe dedicada; a prefeita é a filha mais nova de uma família de 14 filhos, 07 homens e 07 mulheres; Cordélia traz na sua essência como pessoa, os princípios de quem sabe dos valores e da dignidade humana, norteados pelo exemplo dos pais, que através da lida diária e do esforço em construir uma família, ensinou a maior de todas as lições - Na vida nada é por acaso, tudo é resultado do que fazemos.


Dona Giselia, trabalhou como costureira na empresa Socitex; foi balconista no antigo supermercado Pag Menos. Seu esposo, José Lima Almeida, trabalhou no ramo de 'secos e molhados' em atacados, e em seguida trabalhou na comercialização de laranjas, leites e vários outros produtos.


Em tempos, onde a honra era o maior patrimônio, e a herança dos filhos o exemplo dos pais, o patriarca, senhor José Lima de Almeida (não mais entre nós) e a matriarca da família, dona Giselia Torres de Almeida, são o registro de uma família que carrega consigo as raízes de quem ajudou a escrever a história de Eunápolis, e, deu para a cidade exemplo de caráter e dedicação, e uma herdeira dos ensinamentos dos pais, Cordélia Torres de Almeida.


A filha, agora está prefeita da cidade que os pais ajudaram a escrever a história, e, mesmo que tentem, nunca conseguirão apagar a trajetória de uma vida, e as lições aprendidas na melhor das escolas, o exemplo dos pais. A mulher que assumiu a responsabilidade de governar a cidade que nasceu, foi preparada para reconstruir o lugar que quiseram acabar; trazer de volta o que se foi; resgatar o que lançaram fora e respeitar os homens e as mulheres que acreditaram e acreditam que EUNÁPOLIS NASCEU PRA SER GRANDE.