top of page

NOS ACOMPANHE E NOS SIGA NAS REDES SOCIAIS

  • Instagram
  • Facebook
  • X
  • TikTok
  • Youtube
  • Soundcloud
  • Whatsapp
  • Telegram
  • Foto do escritorRedação

Aumento de casos de doença que afeta gatos, cães e humanos deixa sinal de alerta


Gato doente
esporotricose em gatos

De janeiro a setembro deste ano, a Secretaria de Saúde de Maceió registrou 227 casos de esporotricose, doença contagiosa que pode afetar gatos, cães e humanos (veja sintomas mais abaixo). Embora a notificação da doença ao poder público não seja obrigatória, esse número já é maior que o registrado em todo o ano de 2022, quando foram confirmados 125 casos.

A esporotricose é causada pelo fungo do gênero Sporothrix, presente na natureza (no solo, nos espinhos de arbustos, em árvores e vegetação em decomposição) e também pode parasitar os humanos e os animais. De janeiro a dezembro de 2022:

  • 123 casos em animais

  • 2 casos em humanos

De janeiro a setembro de 2023:

  • 206 casos em animais

  • 21 casos em humanos

A Secretaria Municipal de Saúde esclarece que não é possível afirmar que houve aumento de um ano para outro porque os casos são subnotificados, já que, como não é obrigatória a notificação, o ano anterior pode ter uma quantidade maior de casos que não foram relatados ao poder público.

Ainda assim, os dados servem de alerta porque a doença é mais grave do que uma micose simples. "De uma forma mais grave, ela pode levar a uma forma até sistêmica, afetando outros órgãos como pulmão, osso", explica o veterinário Paulo Peixoto.


Sintomas

Em cães e gatos

Animais podem ser infectados através do ambiente contaminado. A contaminação também pode acontecer através de brigas e traumas com outros animais contaminados.

Os sintomas mais comuns são feridas profundas na pele, geralmente com pus, que não cicatrizam e que costumam piorar rapidamente, além de espirros frequentes. As principais formas clínicas da doença são:


  • Cutânea: é caracterizada por um nódulo avermelhado. Também podem ser observadas secreções que lembram abcessos e feridas causadas por brigas

  • Linfocutânea: ocorre quando os nódulos cutâneos progridem para úlceras com secreção na pele, com comprometimento do sistema linfático

  • Disseminada: neste estágio, há lesões ulceradas generalizadas, além de apatia, febre, anorexia e alteração no trato respiratório


Em humanos

Em humanos, o fungo entra no organismo por meio de uma ferida na pele - o que pode acontecer quando há arranhadura ou mordedura de animais doentes. Atualmente, o gato é o principal transmissor da doença, segundo o Ministério da Saúde. Não ocorre transmissão entre humanos.

A lesão inicial parece com uma picada de inseto, podendo evoluir para cura espontânea. Quando o fungo afeta os pulmões, podem surgir tosse, falta de ar, dor ao respirar e febre. O fungo também pode afetar os ossos e articulações, causando inchaço e dor aos movimentos.


As formas clínicas da doença vão depender de fatores como o estado imunológico do indivíduo e a profundidade da lesão. As principais são:


  • Cutânea: caracteriza-se por uma ou múltiplas lesões, localizadas principalmente nas mãos e braços

  • Linfocutânea: é a forma clínica mais frequente; são formados pequenos nódulos, localizados na camada da pele mais profunda, seguindo o trajeto do sistema linfático da região corporal afetada. A localização preferencial é nos membros

  • Extracutânea: quando a doença se espalha para outros locais do corpo, como ossos, mucosas, entre outros, sem comprometimento da pele

  • Disseminada: acontece quando a doença se dissemina para outros locais do organismo, com comprometimento de vários órgãos e/ou sistemas (pulmão, ossos, fígado)


Tratamento

Em cães e gatos

São feitos exames físico e dermatológico e podem ser solicitados exames laboratoriais, como de cultura de fungos, citológico e histopatológico. Para que o veterinário chegue mais rápido ao diagnóstico correto, é importante que o tutor relate o histórico do animal, revelando, por exemplo, se ele se envolveu em alguma briga ou se entrou em contato com terra.

O tratamento para esporotricose em animais é feito com um medicamento antifúngico.


Em humanos

A esporotricose em humanos pode ser diagnosticada a partir de dados clínicos, epidemiológicos e laboratoriais. Pode ser feita uma biópsia ou aspiração de lesões. Nos casos mais graves, outras amostras, podem ser analisadas amostras de secreções, de acordo com os órgãos afetados.


O tratamento é feito com antifúngicos oferecidos gratuitamente pelo SUS. A duração do tratamento pode variar de três meses a um ano.

Prevenção

  • Usar luvas e roupas de mangas longas em atividades que envolvam o manuseio de material proveniente do solo e plantas, bem como o uso de calçados em trabalhos rurais

  • Toda manipulação de animais doentes deve ser feita com o uso de equipamentos de proteção individual (EPI)

  • Animais suspeitos ou doentes deverão ser isolados em local seguro, realizando-se a limpeza e desinfecção do ambiente, de utensílios, brinquedos e outros objetos de contato com o animal

  • Animais com suspeita da doença não devem ser abandonados e animais mortos não devem ser jogados no lixo ou enterrados em terrenos baldios, pois isso manterá a contaminação do solo. Recomenda-se a incineração do corpo do animal

  • Nos casos de arranhadura ou mordida por animal suspeito ou doente, lavar o local do ferimento com água e sabão - se for em mucosas, água ou solução fisiológica -, e procurar atendimento médico

  • Indivíduos com lesões suspeitas de esporotricose devem procurar atendimento médico e levar seus animais domésticos ao médico veterinário


תגובות


Role para baixo e veja mais notícias

Todos os temas tratados neste veículo de comunicação, mesmo conteúdos que expressam opinião, são obedientes ao critério jornalístico relacionado a fatos e acontecimentos, dentro do direito à liberdade de expressão, assegurado na Constituição Federal do Brasil, sem qualquer intenção ou motivação pessoal de agredir pessoa alguma, tão somente expressar de forma legítima o DIREITO de opinar sobre fatos verídicos e acontecimentos reais, no amplo exercício de um jornalismo livre e plural.

 

Antonio Marcos Nunes dos Santos

Jornalista - Registro 0006829/BA  

00_edited.jpg
PC CA.png
bottom of page