top of page
  • Foto do escritorRedação

Bahia| Facção mata jovem inocente só porque usava camisa com estampa do Mickey Mouse


Embora a versão de 1928 do rato mais famoso do mundo tenha entrado em domínio público somente no primeiro dia deste ano, o Mickey Mouse já tinha sido “apropriado” na Bahia. O personagem passou a ser o símbolo de uma facção e, com isso, o terror foi instalado no recôncavo baiano. Na madrugada de 03 de janeiro, em Saubara, a 100 km de Salvador, o ambulante Allisson Cerqueira Nascimento, 18 anos, foi assassinado porque usava uma camiseta com o desenho do personagem. “Eles rasgaram a camisa que a avó deu de presente. Deram garrafadas. Só porque tinha o desenho”, declarou a mãe do adolescente, Simone Souza Cerqueira.


O crime foi praticado por traficantes do Bonde do Maluco (BDM), rivais de A Tropa, organização que foi associada ao personagem. De acordo com a polícia, pelo menos seis homens participaram do crime, dois de Feira de Santana, onde a guerra também é acirrada entre o BDM e A Tropa.


Allisson foi morto na Praia de Cabuçu, a mais procurada da cidade, principalmente por veranistas de Feira de Santana, devido à distância (88 km) e o mar tranquilo. Ele morava em Feira, mas estava no local para garantir o sustento da família - tinha um filho de apenas 1 ano e 10 meses - vendendo queijo coalho nas barracas de praia e no entorno. “Ele era muito querido aqui. Nunca se envolveu com nada”, disse um garçom de uma das barracas.


Crime

Na tarde do dia 02 (terça-feira), Allisson estava numa festa na Praia do Sol, região vizinha de Cabuçu. “Ele usava uma das três camisas que ele ganhou de Natal da avó. Era vermelha, com o desenho pequeno do Mickey. Ele chegou a ser alertado pelos outros jovens que vendiam queijo com ele: ‘rapaz, tire. É de facção. Vão pegar você’. Mas ele disse que não devia nada, que a camisa era presente”, relatou o garçom, amigo da vítima.


Horas depois, Allison foi a outra festa, desta vez no centro de Cabuçu, na Rua da Ilha, onde encontrou outros amigos. Pouco antes da  meia-noite, ele foi cercado por um grupo de rapazes, que exigiram que ele retirasse a camisa. “Ele disse que não, que foi a avó quem deu a ele. Foi aí que começaram a bater nele de socos, chutes, na frente de todo mundo. Ele caiu e deram garrafadas. Ele já estava morto, quando ainda assim atiraram”, contou um dos ambulantes que conhecia Alisson e estava no local.


Terror

A morte de Allison deixou moradores aterrorizados. “A gente nunca viu isso por aqui. Uma pessoa foi morta só porque usava a camisa com o desenho do Mickey. Queimei a minha blusa e a de minha filha. Ninguém quer ter o mesmo fim”, disse uma senhora. “Já proibi de minha menina sair com os conjuntos que ela ama do Mickey e da Mine. Esse pessoal não quer saber se usou por engano, se é trabalhador ou criança. Pra eles, todo mundo é a mesma coisa, inimigo. O que fizeram com o jovem (Allisson) foi uma brutalidade. Tudo por causa de um desenho”, disse uma mãe.


Correio24horas



Kommentare


NOS ACOMPANHE E NOS SIGA NAS REDES SOCIAIS

  • Instagram
  • Facebook
  • X
  • TikTok
  • Youtube
  • Soundcloud
  • Whatsapp
  • Telegram

Role para baixo e veja mais notícias

Todos os temas tratados neste veículo de comunicação, mesmo conteúdos que expressam opinião, são obedientes ao critério jornalístico relacionado a fatos e acontecimentos, dentro do direito à liberdade de expressão, assegurado na Constituição Federal do Brasil, sem qualquer intenção ou motivação pessoal de agredir pessoa alguma, tão somente expressar de forma legítima o DIREITO de opinar sobre fatos verídicos e acontecimentos reais, no amplo exercício de um jornalismo livre e plural.

 

Antonio Marcos Nunes dos Santos

Jornalista - Registro 0006829/BA  

00_edited.jpg
728x180-min.gif
PC CA.png
bottom of page