top of page
  • Foto do escritorRedação

Bahia| "Gay não assumido", dispara juiz insatisfeito com decisão de desembargador Rotondano

Edital que vetava contratação de heterossexuais foi barrado por desembargador do TJ-BA


O juiz Mário Soares Caymmi Gomes, da 12ª Vara das Relações de Consumo em Salvador, comentou sobre o veto do desembargador José Rocha Rotondano, do Tribunal de Justiça da Bahia (TJ-BA), que não permitiu a contratação de estagiários para o seu gabinete.


 

O edital de anúncio da vaga de estágio no gabinete do magistrado elencava quais perfis de pessoas teriam "prioridade" na seleção: pessoas trans e não-binárias e de preferência de cor preta. Pessoas “declaradamente gays e lésbicas”, bem como “pretas. O edital não previa a contratação de estagiários héteros.

“O que me causou maior incômodo é que essa determinação tenha vindo de um corregedor que é gay, ainda que ele não se assuma. Isso não é fofoca. Tem a ver com o caso. Sei que ele é gay, pois ele teve caso com meu marido, antes dele me conhecer, ele foi casado com um rapaz que era vereador de Mata de São João”, afirmou o magistrado em entrevista ao jornalista Luís Ganem.


Mário Gomes disse ainda que este caso "mostra o problema de [se] assumir em um emprego conservador". "Uma pessoa que está numa posição de poder e por falta de conhecimento do seu local, reforça essa pauta de fobia contra pessoas trans. E depois, por qual motivo? Qual problema de cruzarmos no tribunal com pessoas trans. Aí que vamos saber se temos um Judiciário fóbico”, completou.


Por - atardeonline

Comments


NOS ACOMPANHE E NOS SIGA NAS REDES SOCIAIS

  • Instagram
  • Facebook
  • X
  • TikTok
  • Youtube
  • Soundcloud
  • Whatsapp
  • Telegram

Role para baixo e veja mais notícias

Todos os temas tratados neste veículo de comunicação, mesmo conteúdos que expressam opinião, são obedientes ao critério jornalístico relacionado a fatos e acontecimentos, dentro do direito à liberdade de expressão, assegurado na Constituição Federal do Brasil, sem qualquer intenção ou motivação pessoal de agredir pessoa alguma, tão somente expressar de forma legítima o DIREITO de opinar sobre fatos verídicos e acontecimentos reais, no amplo exercício de um jornalismo livre e plural.

 

Antonio Marcos Nunes dos Santos

Jornalista - Registro 0006829/BA  

00_edited.jpg
IMG_6502.gif
PC CA.png
bottom of page