Leia Também
  • cdn24horas

Belmonte - O lado obscuro da política belmontense e seus segredos


Essa matéria poderia até ter uma trilha sonora sombria, diante da história política na cidade. O município baiano com mais de Vinte Mil habitantes, cravado nos limites da Costa do Descobrimento, guarda nos bastidores da política local uma orquestração perversa que ao longo de quase 3 décadas, dois únicos personagens vêm dando as cartas na cidade, e, aquele que pensar contra os dois caciques é colocado na guilhotina. O preço pago por qualquer um que não aceitar os caprichos dos dois senhores é pago com a perseguição política, com a influência no topo da pirâmide do poder para tumultuar e tornar vilão ex prefeitos como Dinah, Lelinho e Alice, que, devem ter tido seus erros, mas tiveram também acertos, no entanto, foram sacrificados pelo jogo político que acontece nos bastidores, longe dos olhos do povo. Aí, nessa orquestração perversa são usados indivíduos teleguiados, que ficam nas esquinas e nas redes sociais inflamando a tudo e a todos para implantares o caos, e assim seus senhores aparecerem como salvadores da pátria, fazendo a sórdida massa de manobra.

O povo belmontense viveu seu pior capítulo na última eleição municipal, em 2016, quando sob juras de amor eterno, o então prefeito eleito Jânio Natal aplicou impiedosamente no povo da terra que dizia amar o maior estelionato político/eleitoral da história do Brasil, em uma inimaginável posse a meia-noite do dia 31 de dezembro daquele ano, renegando ao povo belmontense o capítulo mais sombrio de todos os tempos, com a herança desastrosa de um governo feito pelo irmão que fora presenteado por Natal com o cargo de prefeito após sua fria renúncia naquele lampejo do 1º de janeiro de 2017, lançando a cidade no maior caos administrativo de todos os tempos, e pelo andar da carruagem a turma que administra a cidade e tem seus vínculos eternos com Jânio Natal estão se abrigando debaixo do sombreiro de Iêdo Elias... agora é só esperar o tempo, só ele dirá o que reserva a Belmonte!