top of page
  • Foto do escritorRedação

Áudio em tom ameaçador feito por esposa de cacique a famílias indígenas pode revelar crime de coação

Caso aconteceu em Cabrália.

indios em cidade
Esposa de líder indígena enviou áudio em tom ameaçador à famílias da aldeia

Um áudio enviado pela esposa do Cacique Cinaldo a famílias de índios da Aldeia Nova Coroa, no município de Santa Cruz Cabrália, na manhã de quinta-feira (03), na Costa do Descobrimento, mostra intimidação feita aos índios da Aldeia Nova Coroa pela esposa do chefe local. A mulher que é esposa do cacique, de nome Cinaldo, usa do expediente de supostamente ter controle da aldeia e da distribuição de alimentos a famílias indígenas e, em alto e bom som - em tom de ameaça - aos seus comandados, alerta que, caso não a acompanhe até a prefeitura da cidade para fazer um suposto protesto, as famílias poderiam ficar sem receberem cestas básicas.


A fala da mulher do cacique deve ser analisada e questionada pelas autoridades, uma vez que, deve-se saber a origem das cestas básicas que ela usa como objeto de coação às famílias indígenas da Aldeia, de onde ela é a esposa do cacique. Caso seja de distribuição federal de Assistência ao Índio, o chefe indígena e a esposa, conhecida como, Rita, deve responder por crime, ao usar um direito das famílias como moeda de troca, em detrimento de uma conquista dos povos indígenas.


Fica o chamamento para as autoridades, inclusive para a FUNAI e ao MPF para investigar o caso e fazer cumprir a lei, diante de um possível crime de Coação Moral, conforme o artigo 151 do código civil.


Ouça o áudio:



Comments


NOS ACOMPANHE E NOS SIGA NAS REDES SOCIAIS

  • Instagram
  • Facebook
  • X
  • TikTok
  • Youtube
  • Soundcloud
  • Whatsapp
  • Telegram

Role para baixo e veja mais notícias

Todos os temas tratados neste veículo de comunicação, mesmo conteúdos que expressam opinião, são obedientes ao critério jornalístico relacionado a fatos e acontecimentos, dentro do direito à liberdade de expressão, assegurado na Constituição Federal do Brasil, sem qualquer intenção ou motivação pessoal de agredir pessoa alguma, tão somente expressar de forma legítima o DIREITO de opinar sobre fatos verídicos e acontecimentos reais, no amplo exercício de um jornalismo livre e plural.

 

Antonio Marcos Nunes dos Santos

Jornalista - Registro 0006829/BA  

00_edited.jpg
728x180-min.gif
PC CA.png
bottom of page