Leia Também
  • cdn24horas

Caso Rielson - Rogério Andrade é preso acusado de ser o mandante do crime

Assassinado em 29 de julho de 2014, enquanto conversava com amigos em frente a uma lanchonete na cidade que governava, Rielson Lima (51 anos) à época prefeito do município de Itagimirim, cidade no Extremo Sul baiano, a 600 km de Salvador, Rielson foi alvejado por quatro disparos de arma de fogo, chegando a ser socorrido por equipes do SAMU, mas não resistindo aos ferimentos veio a óbito enquanto era levado para o hospital. Desde então a polícia vem investigando o caso, e, na sexta-feira, 02 de outubro de 2020, após mais de seis anos do crime, foi preso o ex prefeito de Itagimirim Rogério Andrade (47 anos), vice prefeito de Rielson Lima à época, acusado de ser o mandante do crime.


O desdobramento que levou a prisão de Rogério Andrade teve sua conclusão com a prisão de Jamilton Neves Lopes (40 anos), preso em Brasília-DF no começo de agosto deste ano, apontado pelas investigações com envolvimento direto no crime que vitimou Rielson Lima, sendo Jamilton o executor dos disparos. Jamilton havia fugido de Itagimirim um anos e meio depois do crime, temendo pela própria vida, após a morte do irmão Alessandro Neves Lopes (vulgo Sandro Seco), que também era alvo das investigações policiais; Jamilton temia pela própria vida por acreditar que o irmão havia sido morto a mando de Rogério como queima de arquivo.


A motivação do crime seria o cargo de prefeito. Com a morte de Rielson Lima, com um ano e meio de governo apenas, Rogério Andrade se tornaria prefeito pelos outros dois anos e meio restantes do mandato. Tudo segundo a polícia por conta de uma dívida contraída com ciganos por Rogério Andrade, e sem ter como saldar, após ser exposto publicamente por cobranças e ameaças do grupo de ciganos, Rogério teria elaborado o assassinato de Rielson, fato que se consumou, pois Rogério acreditava que como prefeito saldaria a dívida com os ciganos. Em episódio com Rielson ainda vivo, vários cheques da prefeitura foram extraviados por Rogério para serem usados como pagamento da dívida com o grupo de ciganos, mas a fraude foi descoberta por Rielson e os cheques foram sustados.


A prisão de Rogério Andrade como mandante do crime de Rielson Lima esclarece um dos crimes de maior repercussão na Bahia.