top of page

NOS ACOMPANHE E NOS SIGA NAS REDES SOCIAIS

  • Instagram
  • Facebook
  • X
  • TikTok
  • Youtube
  • Soundcloud
  • Whatsapp
  • Telegram
  • Foto do escritorRedação

Documentos sustentam inelegibilidade de Neto Guerrieri e derruba tese da defesa em Ação anulatória movida contra a Câmara Municipal de Eunápolis

Apadrinhado por Carletto, Guerrieri segue inelegível e fraco nas pesquisas

A missão impossível do pré-candidato a prefeito de Eunápolis pelo AVANTE para reverter sua situação com a Justiça Eleitoral tem sido o gargalo que o mantém inelegível para as eleições de 2024. Documentos do processo de julgamento que rejeitaram as suas contas pela Câmara Municipal de Eunápolis contendo inclusive a certidão do servidor que tentou intima-lo pessoalmente atestam na íntegra a lisura de todo trâmite que deixou Guerrieiri inapto (inelegível) para concorrer a qualquer cargo público eletivo em 2024. Diante dessa documentação há fortes indícios que os advogados do ex-prefeito formularam a defesa de Guerrieri tentando induzir o magistrado a erro, no entanto, o Juiz da Fazenda Pública sustentou a decisão do legislativo municipal e até este momento o ex-prefeito de Eunápolis está sem poder concorrer as eleições deste ano.


A situação jurídica de Neto Guerrieri será atestada pelo TRE, entre o dia 30 de Julho e 05 de Agosto, data limite para a Justiça Eleitoral tomar ciência da lista de inelegíveis dos Órgãos de Controle, com os nomes dos pretensos candidatos a cargo público eletivo que não estão quite com a justiça, que, é o caso de Guerrieri.


Vale ressaltar que a câmara contestou. Os documentos são da contestação.


Veja abaixo:

PROCESSO COMPLETO CONTAS 2015_VOLUME-03 (pg-41)
.pdf
Fazer download de PDF • 2.04MB

Contestação (5)
.pdf
Fazer download de PDF • 365KB

Comments


Role para baixo e veja mais notícias

Todos os temas tratados neste veículo de comunicação, mesmo conteúdos que expressam opinião, são obedientes ao critério jornalístico relacionado a fatos e acontecimentos, dentro do direito à liberdade de expressão, assegurado na Constituição Federal do Brasil, sem qualquer intenção ou motivação pessoal de agredir pessoa alguma, tão somente expressar de forma legítima o DIREITO de opinar sobre fatos verídicos e acontecimentos reais, no amplo exercício de um jornalismo livre e plural.

 

Antonio Marcos Nunes dos Santos

Jornalista - Registro 0006829/BA  

00_edited.jpg
PC CA.png
bottom of page