top of page

NOS ACOMPANHE E NOS SIGA NAS REDES SOCIAIS

  • Instagram
  • Facebook
  • X
  • TikTok
  • Youtube
  • Soundcloud
  • Whatsapp
  • Telegram
  • Foto do escritorRedação

Folha de São Paulo encurrala Flávio Dino e outros ministros de Lula com dados da letalidade policial


homem apontando com microfone
Ministro Flávio Dino

O Fórum Brasileiro de Segurança Pública mostra dados apontando que a letalidade em operações policiais é uma tendência observada nos últimos anos em estados que foram comandados por hoje ministros do governo Lula. A Bahia, Amapá, Piauí e Ceará, com crescimento de quatro vezes a média nacional em letalidade policial foram governados por hoje ministros do governo federal. As informações são da Folha.


Considerando dados de 2014 a 2022, o crescimento da letalidade policial é observado na Bahia (426%), no Amapá (388%), no Ceará (183%), no Piauí (137%) e no Maranhão (53%). Já em todo o Brasil, o crescimento de 104,35% no período.


Os governadores desses estados eram o ministro da Casa Civil, Rui Costa (Bahia), da Integração, Walder Góes (Amapá), da educação, Camilo Santana (Ceará), da Justiça e Segurança Pública, Flávio Dino (Maranhão) e do Desenvolvimento e Assistência Social, Wellington Dias (Piauí).


Flávio Dino, que comanda a Segurança Pública no Brasil, tem sido o mais cobrado pelo crescimento da violência e letalidade policial. Nesta semana, ele lançou um plano de enfrentamento ao crime organizado no país.

Já Rui Costa disse não reconhecer os dados do Fórum Brasileiro de Segurança Pública e afirmou que o governo estuda um marco legal para definir um parâmetro único para o registro de mortes violentas.

Por meio da assessoria, Camilo Santana e Flávio Dino destacaram à Folha, por notas, a redução de outros indicadores, como o número de homicídios dolosos.


Folha

Comments


Role para baixo e veja mais notícias

Todos os temas tratados neste veículo de comunicação, mesmo conteúdos que expressam opinião, são obedientes ao critério jornalístico relacionado a fatos e acontecimentos, dentro do direito à liberdade de expressão, assegurado na Constituição Federal do Brasil, sem qualquer intenção ou motivação pessoal de agredir pessoa alguma, tão somente expressar de forma legítima o DIREITO de opinar sobre fatos verídicos e acontecimentos reais, no amplo exercício de um jornalismo livre e plural.

 

Antonio Marcos Nunes dos Santos

Jornalista - Registro 0006829/BA  

00_edited.jpg
PC CA.png
bottom of page