BANNER-INTERNET-728-x-90.gif
Leia Também
  • Antonio Marcos Nunes

Liberdade a preço fixo - Casal Oliveira paga 200 mil para sair da prisão


 

Foram soltos na noite de quarta-feira (16), dos presídios de Eunápolis e Teixeira de Freitas, os ex gestores municipais, Robério Oliveira (PSD), que estava preso em Eunápolis, e Cláudia Oliveira(PSD), que estava presa em Teixeira de Freitas. Eles estavam presos por determinação do juiz federal da 1ª Região - Eunápolis, Dr Pablo Enrique Carneiro Baldivieso, como desdobramento da Operação Fraternos, que acusa os dois ex prefeitos e mais outros envolvidos de integrarem uma quadrilha organizada, responsável pelo desvio milionário de mais de 200 milhões de reais dos cofres públicos. O HC (Habeas Corpus) foi concedido pelo desembargador da Justiça Federal da 1ª Região, Ney Bello, com fiança de 100 Mil Reais aplicada para Robério Oliveira e 100 Mil Reais aplicada para Cláudia Oliveira.

A liberdade dos ex prefeitos, Robério Oliveira (ex prefeito de Eunápolis) e Cláudia Oliveira (ex prefeita de Porto Seguro), que são casados, custou ao casal, 200 Mil Reais, como fiança. A fixação do valor da fiança, corresponde a menos que 1% do valor que são acusados de desviarem do erário público, em efeitos comparativos.


Um foguetório, atribuído a seguidores do casal, realizado por algumas poucas pessoas foi ouvido no momento que o ex prefeito, Robério Oliveira era libertado da cárcere, no presídio de Eunápolis. Enquanto a esposa e ex prefeita de Porto Seguro, Cláudia Oliveira, estava sendo libertada em Teixeira de Freitas.

Os problemas dos ex prefeitos, só estão começando em seu lado prático, ora que a decisão de juiz da vara federal, em decretar a prisão, em primeiro momento deverá resultar na celeridade do juízo sobre os fatos, que apontam para formação de quadrilha e outros crimes correlatos, com danos irreparáveis ao erário público.


Ao sair do presídio e ser recebido por alguns poucos seguidores, o ex prefeito, tentou politizar a decisão judicial que o prendeu, e fazer-se de vítima de uma "suposta" perseguição. Vale lembrar que, tanto Robério Oliveira, quanto Cláudia Oliveira, são réus por formação de quadrilha e de terem desviado mais de 200 milhões de reais dos cofres públicos, e nisto não há politização, mas sim os rigores da lei.