BANNER-INTERNET-728-x-90.gif
Leia Também
  • Antonio Marcos Nunes

Motorista de tragédia com ônibus em Minas Gerais pulou e fugiu antes da queda



 

O motorista do ônibus de viagem que caiu hoje de um viaduto conhecido como "Ponte Torta", na BR-381, pulou antes da queda, fugiu do local e ainda não se apresentou a polícia, de acordo com a PRF-MG (Polícia Rodoviária Federal de Minas Gerais). O veículo saiu do povoado de Santa Cruz do Deserto, em Mata Grande no sertão de Alagoas para São Paulo e caiu entre João Monlevade e Nova Era, em MG.


O porta-voz dos Bombeiros de MG, tenente Pedro Aihara, declarou que a corporação recebeu um chamado sobre o acidente por volta das 14h. Quando passava pelo viaduto, no sentido Belo Horizonte, o motorista perdeu o controle do ônibus e colidiu com o retrovisor de um caminhão que estava no local.


Em seguida, testemunhas relataram que o motorista gritou que teria perdido os freios. O ônibus começou a voltar de marcha ré, bateu em uma proteção lateral da ponte e caiu de uma altura de 23 metros, segundo peritos da Polícia Civil. O condutor e outras seis pessoas saltaram antes da queda do ônibus.


Aihara disse que não tem informações sobre a lista de passageiros e que não há mais possibilidade de encontrar vítimas com vida no local. Foram 16 mortos e 27 feridos, de acordo com o Corpo de Bombeiros de Minas Gerais.


A Polícia Civil de MG afirmou que a causa do acidente será investigada e que os corpos serão levados para o IML (Instituto Médico Legal) André Roquete, em BH. O laudo deve ficar pronto em 30 dias, mas o prazo pode ser prorrogado.


Duas crianças e um adulto que estavam no ônibus foram encaminhados para o Hospital João 23, em Belo Horizonte, a 117 km do local. A informação foi confirmada ao UOL pelo próprio hospital. O trio está em estado grave. O João 23 é um hospital especializado em traumas.


A ANTT (Agência Nacional de Transportes Terrestres) informou que a empresa do ônibus, a JS Turismo, tinha uma autorização para prestação de serviço feita pela Justiça, por meio de liminar, mas o veículo em questão não estava habilitado para transportar passageiros.


Por - UOL