top of page
  • Foto do escritorRedação

Pai de detento que morreu dentro da delegacia de Eunápolis será indenizado em 100 mil reais


carro de polícia
23ª COORPIN

Foi negado pela Segunda Câmara Cível do Tribunal de Justiça da Bahia (TJ-BA), recurso interposto pelo governo estadual e mantida decisão condenatória com pagamento de R$ 100 Mil Reais ao pai de Leandro Souza Santos, morto dentro de unidade prisional na cidade de Eunápolis, na Costa do Descobrimento.

Leandro Souza Santos, filho do autor da ação, ficou custodiado na delegacia de Eunápolis em 2011, sob suspeita de tentativa de furto de veículo. No ano seguinte, em julho de 2012, ele foi agredido por outros detentos com uma barra de ferro com a ponta afiada e com o cabo enrolado em tecido dentro de uma cela. Conforme relato constante nos autos, ele conseguiu sair e foi para o pátio, onde continuou sendo agredido com “chuchos” - espécie de arma artesanal. Leandro faleceu no dia 31 de julho de 2012, em um hospital.

No entendimento do relator do recurso, desembargador Manuel Carneiro Bahia de Araújo, ficou demonstrado nos autos a “responsabilidade objetiva do Estado, uma vez que a vítima se encontrava presa sob custódia do ente público, sendo seu dever proteger a integridade física e psicológica do detento”.

“Assim, demonstrado que a vítima sofreu golpes de facas dentro da unidade prisional do Estado da Bahia vindo a falecer logo após em hospital, não há como afastar a responsabilidade objetiva do Estado em razão da omissão dos seus agentes no cuidado e vigilância do preso”, afirma.

Para definir o valor da indenização, o desembargador disse também ter levado em consideração a comprovação da ausência de antecedentes criminais da vítima e a sua condição de “provedor de família”.

Comments


NOS ACOMPANHE E NOS SIGA NAS REDES SOCIAIS

  • Instagram
  • Facebook
  • X
  • TikTok
  • Youtube
  • Soundcloud
  • Whatsapp
  • Telegram

Role para baixo e veja mais notícias

Todos os temas tratados neste veículo de comunicação, mesmo conteúdos que expressam opinião, são obedientes ao critério jornalístico relacionado a fatos e acontecimentos, dentro do direito à liberdade de expressão, assegurado na Constituição Federal do Brasil, sem qualquer intenção ou motivação pessoal de agredir pessoa alguma, tão somente expressar de forma legítima o DIREITO de opinar sobre fatos verídicos e acontecimentos reais, no amplo exercício de um jornalismo livre e plural.

 

Antonio Marcos Nunes dos Santos

Jornalista - Registro 0006829/BA  

00_edited.jpg
728x180-min.gif
PC CA.png
bottom of page