top of page
  • Foto do escritorRedação

Terra sem lei| Cigano oferece alta quantia em jóias por suposto assassino da filha


O cigano pai da adolescente cigana, Hyara Flor, morta na quinta-feira, dia 06 de julho, na cidade de Guaratinga, no Sul baiano, teria enviado áudios que circulam em aplicativo de mensagens oferecendo a quem disser o paredeiro do genro, também de origem cigana, um menor de 14 anos, a recompensa de R$ 300.000,00 (Trezentos Mil Reais) em jóias.


Em outros áudios atribuídos ao pai de Hyara, ele diz a familiares do genro que seja entregue o adolescente para que seja morto, e diz que se não for assim, em suas palavras, haverá derramamento de sangue com outras mortes de familiares de parentes do suposto autor do morte da adolescente cigana.

Entenda

O suspeito e o pai fugiram logo após a morte de Hyara Flor dos Santos Alves em direção a uma estrada que dá acesso à cidade de Itamaraju e ao estado de Minas Gerais. Policias da Bahia e de Minas fazem buscas para localizá-los. O adolescente, também de origem cigana, estava casado com a vítima havia dois meses.

Hyara deu entrada em um hospital de Guaratinga na quinta-feira (6) com um ferimento provocado por um disparo de arma de fogo. Ela foi atendida, mas não resistiu. Aos profissionais de saúde foi informado inicialmente que a cigana foi vítima de um disparo acidental enquanto limpava um revólver.

A morte da cigana deixa a Guarantiga sob tensão. Um tiroteio foi registrado na cidade de pouco mais de 19 mil habitantes nesta sexta-feira (7). A Polícia Militar diz que após o crime o policiamento foi reforçado na região.

Comments


NOS ACOMPANHE E NOS SIGA NAS REDES SOCIAIS

  • Instagram
  • Facebook
  • X
  • TikTok
  • Youtube
  • Soundcloud
  • Whatsapp
  • Telegram

Role para baixo e veja mais notícias

Todos os temas tratados neste veículo de comunicação, mesmo conteúdos que expressam opinião, são obedientes ao critério jornalístico relacionado a fatos e acontecimentos, dentro do direito à liberdade de expressão, assegurado na Constituição Federal do Brasil, sem qualquer intenção ou motivação pessoal de agredir pessoa alguma, tão somente expressar de forma legítima o DIREITO de opinar sobre fatos verídicos e acontecimentos reais, no amplo exercício de um jornalismo livre e plural.

 

Antonio Marcos Nunes dos Santos

Jornalista - Registro 0006829/BA  

00_edited.jpg
728x180-min.gif
PC CA.png
bottom of page