top of page
CDN 24H 300X250.png
  • Foto do escritorRedação

Terror no campo| Mulher indígena Pataxó ferida em confronto com fazendeiros não resiste e morre


A indígena Maria de Fátima Muniz de Andrade, conhecida como "Nega Pataxó", morreu neste domingo (21) após confronto entre indígenas e fazendeiros que tentaram retomar propriedade rural em Potiraguá, região Sul da Bahia. Ela recebeu atendimento no Hospital de Potiraguá. O cacique Naílton e um integrante do movimento Invasão Zero seguem internados.

Equipes da Polícia Militar apreenderam quatro armas de fogo na manhã deste domingo (21), após o confronto entre os fazendeiros do movimento intitulado Invasão Zero e indígenas. 


Durante o embate, além de Nega Pataxó, que não resistiu, o cacique Nailton foi atingido por disparo de arma de fogo. Um ruralista, que não teve o nome divulgado pela Secretaria da Segurança Pública, foi atingido por flecha. Eles foram levados à unidade hospitalar que fica a 20 quilômetros do local do confronto.



Com dois homens apontados como integrantes do grupo Invasão Zero, os PMs apreenderam duas pistolas, dois revólveres, carregadores e munições. Flecha e foice encontradas no local também foram recolhidas. A dupla e as armas de fogo foram apresentadas na Delegacia Territorial (DT) de Itapetinga.


A Secretaria da Segurança Pública determinou reforço do patrulhamento na região com unidades territoriais e especializadas da PM. Equipes da Polícia Civil também estão na região coletando depoimentos, possíveis imagens, entre outros indícios.

  • Instagram
  • Facebook
  • YouTube

Nos siga nas redes sociais.
Curta, comente e compartilhe!

Role para baixo e veja abaixo mais notícias

Todos os temas tratados neste veículo de comunicação, mesmo conteúdos que expressam opinião, são obedientes ao critério jornalístico relacionado a fatos e acontecimentos, dentro do direito à liberdade de expressão, assegurado na Constituição Federal do Brasil, sem qualquer intenção ou motivação pessoal de agredir pessoa alguma, tão somente expressar de forma legítima o DIREITO de opinar sobre fatos verídicos e acontecimentos reais, no amplo exercício de um jornalismo livre e plural.

 

Antonio Marcos Nunes dos Santos

Jornalista - Registro 0006829/BA  

00.JPG
728x90-min.gif
Veja Também
PC CA.png
bottom of page