top of page
  • Foto do escritorRedação

Vereador cobra ações da Embasa para preservação do Rio Buranhém

Por ascom/ CME – Foto: Milton Guerreiro


O vereador Jorge Maécio (PP) usou o pequeno expediente na Câmara Municipal de Eunápolis, durante a 1190ª sessão ordinária desta quinta-feira, dia 21 de dezembro, para condenar a falta de responsabilidade social da Embasa (Empresa Baiana de Água e Saneamento) com a preservação do Rio Buranhém, que corta Eunápolis e abastece a população, “especialmente com a recuperação de manutenção das matas ciliares no entorno da Estação de Captação, localizada no Bairro Dinah Borges”. Frisou.

Disse que “há quatro anos seu mandato enceta uma luta muito ampla em defesa do Rio Buranhém, tendo feito audiência pública com a presença de quase 300 pessoas e representantes de todos os municípios banhados por este curso de água”. Lembrou que entregou ofícios ao ex-governador Rui Costa, ao Governo Federal, à ANA (Agência Nacional de Águas) como também a Embasa.

“Justamente a Embasa, empresa que retira seus recursos financeiros de um manancial hídrico sem pagar nada e sem se preocupar com o assoreamento que acontece justamente no lugar da captação”. Criticou.

Em tom indignado, disse ainda que o rio está cheio de bolsões de areia e que a degradação é visível especialmente próximo às margens, sem falar da poluição por agrotóxicos.

O parlamentar sugeriu a criação de um programa para recuperação do manancial, “no qual a Embasa poderia participar com recursos, como uma espécie de contrapartida pelos dividendos econômicos advindos da concessão que ela detém para explorar e distribuir água na cidade de Eunápolis”.

“É uma concessão maravilhosa” Ironizou. “A Embasa não investe em equipamentos. No dia 19 de dezembro tivemos uma enxurrada que danificou os equipamentos já precários e a população fica sem água enquanto eles fazem a descarga da água das chuvas. Resumindo: a Embasa explora a água do nosso manancial e nada faz pelo Rio Buranhém de onde ela tira seu benefício econômico”. Reiterou.


rio sêco
Leito do Rio Buranhém fotografado pelo fotógrafo Urbino Brito

Jorge Maécio destacou ainda que se o Rio Buranhém secar e a Embasa for obrigada a captar água no Rio Jequitinhonha, o custo operacional tornar-se-á mais elevado, devido à distância e à necessidade de estações elevatórias, podendo ocorrer de a população ser obrigada a pagar mais caro pela água que consome, como já ocorre em outras cidades, como em Itabuna, cuja captação é muito distante da zona urbana.

“Para a Embasa é mais cômodo recuperar e proteger o manancial, preservar este local de captação uma vez que é mais próxima da ETA (Estação de Tratamento de Água) e que já dispõe de toda a infraestrutura, embora necessitando de modernização e ampliação”. Argumentou.

Comments


NOS ACOMPANHE E NOS SIGA NAS REDES SOCIAIS

  • Instagram
  • Facebook
  • X
  • TikTok
  • Youtube
  • Soundcloud
  • Whatsapp
  • Telegram

Role para baixo e veja mais notícias

Todos os temas tratados neste veículo de comunicação, mesmo conteúdos que expressam opinião, são obedientes ao critério jornalístico relacionado a fatos e acontecimentos, dentro do direito à liberdade de expressão, assegurado na Constituição Federal do Brasil, sem qualquer intenção ou motivação pessoal de agredir pessoa alguma, tão somente expressar de forma legítima o DIREITO de opinar sobre fatos verídicos e acontecimentos reais, no amplo exercício de um jornalismo livre e plural.

 

Antonio Marcos Nunes dos Santos

Jornalista - Registro 0006829/BA  

00_edited.jpg
IMG_6502.gif
PC CA.png
bottom of page