top of page

NOS ACOMPANHE E NOS SIGA NAS REDES SOCIAIS

  • Instagram
  • Facebook
  • X
  • TikTok
  • Youtube
  • Soundcloud
  • Whatsapp
  • Telegram
  • Foto do escritorRedação

Candidata do curso da PM passa mal durante teste físico e morre em seguida

Uma mulher morreu na última segunda-feira (29) após passar mal durante o Teste de Aptidão Física (TAF) do concurso da Polícia Militar do Distrito Federal. Gabriela dos Santos Gontijo chegou a ser levada ao hospital, mas não resistiu e morreu no dia seguinte à prova.

Gabriela realizava testes físicos para o cargo de soldado da PM, no último domingo (28), em Taguatinga. Segundo a banca organizadora do concurso público, a candidata sofreu um mal súbito durante o teste de corrida, e foi prontamente atendida por uma equipe médica.


 

Em nota, Polícia Militar afirmou que lamenta a morte da candidata e se solidariza com a família. Além disso, garantiu que "todos os aspectos" do teste são de responsabilidade da banca examinadora, o Instituto AOCP.

O órgão, por sua vez, emitiu um posicionamento sobre o caso, alegando que Gabriela tinha apresentado um atestado de aptidão física assinado por um médico cardiologista de Samambaia Norte, que a declarou apta para participar da etapa.


 

"A organizadora do certame informa que a aplicação dos testes físicos observou as disposições contidas na Lei nº 4.949/ 2012 e que durante o período em que os candidatos aguardaram a realização das provas, eles puderam utilizar os bebedouros do local, bem como não havia qualquer restrição quanto a possibilidade de alimentação. O local de realização da etapa respeitou todas as regras, estava em ordem com todos os equipamentos utilizados nos testes e ainda teve sua estrutura elogiada por outros candidatos", disse o Instituto.

Comments


Role para baixo e veja mais notícias

Todos os temas tratados neste veículo de comunicação, mesmo conteúdos que expressam opinião, são obedientes ao critério jornalístico relacionado a fatos e acontecimentos, dentro do direito à liberdade de expressão, assegurado na Constituição Federal do Brasil, sem qualquer intenção ou motivação pessoal de agredir pessoa alguma, tão somente expressar de forma legítima o DIREITO de opinar sobre fatos verídicos e acontecimentos reais, no amplo exercício de um jornalismo livre e plural.

 

Antonio Marcos Nunes dos Santos

Jornalista - Registro 0006829/BA  

00_edited.jpg
PC CA.png
bottom of page