top of page

NOS ACOMPANHE E NOS SIGA NAS REDES SOCIAIS

  • Instagram
  • Facebook
  • X
  • TikTok
  • Youtube
  • Soundcloud
  • Whatsapp
  • Telegram
  • Foto do escritorRedação

Jorge Maécio resgatou a autoestima de uma câmara que quase sucumbiu



Sabe aquela história: quase deu ruim; exatamente, a expressão é usada quando algo esteve perto de dar errado. O atual mandato do legislativo eunapolitano que estar por se findar, viveu o momento mais crítico de toda sua história durante a atual legislatura, diante da instabilidade política vivida entre os poderes, com a queda de braço entre o executivo e o parlamento municipal. Não fosse a figura centrada e equilibrada do vereador e presidente da Câmara Municipal, Jorge Maécio, por certo os prejuízos para a municipalidade seriam irreparáveis.


Tem que ser creditado a Jorge Maécio o fato do município eunapolitano não ter mergulhado numa crise sem precedentes durante as denúncias que tramitaram na câmara contra a atual prefeita, porquanto sua postura firme e sua conduta sem suspeição deu estabilidade e governança aos poderes, apesar dos desarranjos da administração pífia e desorientada da atual gestora, que, a todo momento e todo tempo lançava os rumos da cidade nas incertezas que se tornaram rotina no dia-a-dia de toda Eunápolis.


Maécio não pode passar despercebido; seu nome tem que ser lembrado nos anais da história como figura central imprescindível de um momento que exigiu de um homem público se tornar o personagem principal para evitar o colapso de uma cidade que esteve diante do caos total.


O reconhecimento a bravura de Maécio é fazer justiça no presente e ajudar a escrever a história do futuro.



Comments


Role para baixo e veja mais notícias

Todos os temas tratados neste veículo de comunicação, mesmo conteúdos que expressam opinião, são obedientes ao critério jornalístico relacionado a fatos e acontecimentos, dentro do direito à liberdade de expressão, assegurado na Constituição Federal do Brasil, sem qualquer intenção ou motivação pessoal de agredir pessoa alguma, tão somente expressar de forma legítima o DIREITO de opinar sobre fatos verídicos e acontecimentos reais, no amplo exercício de um jornalismo livre e plural.

 

Antonio Marcos Nunes dos Santos

Jornalista - Registro 0006829/BA  

00_edited.jpg
PC CA.png
bottom of page