top of page

NOS ACOMPANHE E NOS SIGA NAS REDES SOCIAIS

  • Instagram
  • Facebook
  • X
  • TikTok
  • Youtube
  • Soundcloud
  • Whatsapp
  • Telegram
  • Foto do escritorRedação

LDO é votada em duas sessões extraordinárias na câmara

Duas sessões extraordinárias foram utilizadas pela Câmara de Vereadores de Eunápolis, na manhã desta quarta-feira (26 jun 2024), para que os vereadores pudessem votar a Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO). A matéria, encaminhada por meio do projeto de lei 15/2024, de autoria do Poder Executivo, recebeu os 14 votos dos presentes.

As ausências de José Carlos Barbosa, Arilma Rodrigues e Adeilson do Açougue foram justificadas.


Minutos antes aconteceu a sessão ordinária, última do primeiro período legislativo, e antes do recesso regimental do meio do ano.

A LDO define metas e prioridades da Administração Pública, além de estabelecer metas fiscais e apontar os riscos que poderão afetar as contas públicas. A Lei constitui um conjunto de instruções para a concretização de um plano de ação governamental. É um instrumento de planejamento, onde, entre outras providências, destacam-se aquelas voltadas para a elaboração do orçamento municipal. Deve ser aprovado pelo Legislativo, portanto, por lei.

Segundo o presidente da Casa, Jorge Maécio (Avante), A LDO “norteia a lei orçamentária, que deve chegar à Casa até o final deste ano com previsões que devem valer para 2025. “isso permite que o novo legislativo faça as adequações necessárias e também para que o próximo governo tenha um orçamento já encaminhado em primeiro de janeiro com tudo certinho”.

É o orçamento que viabiliza a vida financeira do Executivo “porque ali estão todas as normativas, a orientação dos recursos do governo do estado, da União, a arrecadação própria e todos os gastos de cada segmento ou pasta como Educação, Saúde, Infraestrutura, Cultura, etc. Ali o prefeito sabe como gastar, onde, quanto e quando gastar”. Disse o presidente.

Comments


Role para baixo e veja mais notícias

Todos os temas tratados neste veículo de comunicação, mesmo conteúdos que expressam opinião, são obedientes ao critério jornalístico relacionado a fatos e acontecimentos, dentro do direito à liberdade de expressão, assegurado na Constituição Federal do Brasil, sem qualquer intenção ou motivação pessoal de agredir pessoa alguma, tão somente expressar de forma legítima o DIREITO de opinar sobre fatos verídicos e acontecimentos reais, no amplo exercício de um jornalismo livre e plural.

 

Antonio Marcos Nunes dos Santos

Jornalista - Registro 0006829/BA  

00_edited.jpg
PC CA.png
bottom of page