top of page
  • Foto do escritorRedação

Médico é preso suspeito de racismo contra auditora em Itabuna



Um médico obstetra foi preso por suspeita de racismo na quarta-feira (21),  em Itabuna, no sul do estado. A denúncia foi feita por uma auditora que prestava serviço para a Secretaria de Saúde da Bahia (Sesab). As informações são do G1.

Na denúncia, a auditora, que é uma mulher negra, disse que o obstetra Luís Leite falou que ela era bonita por ter 'sangue branco'. O caso aconteceu durante uma auditoria na Maternidade Otaciana Pinto, onde o médico estava de plantão.

"A vítima diz que trata-se de uma frase racista, ela estava no hospital quando foi abordada por esse médico, elogiando a cor da pele e afirmando que se ela tem uma pele bonita é porque ela tem sangue de branco", disse a delegada Lisdeili Nobre, que investiga o caso.

Ainda segundo a delegada, a auditora citou na denúncia outra frase que o obstetra teria dito na mesma situação. "Você já viu alguém com pele preta ser bonita assim? Então, afirmo que se você é bonita é porque você tem sangue branco", detalhou Lisdeili Nobre.

Após a prisão, o obstetra foi encaminhado para o Conjunto Penal de Itabuna. De acordo Linda Andrade, advogada de defesa do médico, Luís Leite apenas "avistou a moça" e "fez um elogio para o colega de trabalho dele".

"Ele comentou que a moça era bonita, tinha a pele bonita. Ele, em momento algum, dirigiu a palavra para a moça ou dirigiu esse elogio para a suposta vítima", relatou. A advogada informou que vai ingressar com um pedido judicial para que o obstetra responda pelo crime em liberdade. Na quinta-feira (22), ele passará por audiência de custódia.

Procurada, a Sesab informou que a profissional foi orientada a prestar queixa e que recebeu toda a orientação necessária. O caso é acompanhado também pela Justiça.

Comments


NOS ACOMPANHE E NOS SIGA NAS REDES SOCIAIS

  • Instagram
  • Facebook
  • X
  • TikTok
  • Youtube
  • Soundcloud
  • Whatsapp
  • Telegram

Role para baixo e veja mais notícias

Todos os temas tratados neste veículo de comunicação, mesmo conteúdos que expressam opinião, são obedientes ao critério jornalístico relacionado a fatos e acontecimentos, dentro do direito à liberdade de expressão, assegurado na Constituição Federal do Brasil, sem qualquer intenção ou motivação pessoal de agredir pessoa alguma, tão somente expressar de forma legítima o DIREITO de opinar sobre fatos verídicos e acontecimentos reais, no amplo exercício de um jornalismo livre e plural.

 

Antonio Marcos Nunes dos Santos

Jornalista - Registro 0006829/BA  

00_edited.jpg
IMG_6502.gif
PC CA.png
bottom of page